terça-feira, 22 de maio de 2012

Dreams - Part. 78

Postado por @slaysdrauhl às 20:28
Reações: 
43 comentários

* Não deixem de ler a nota final. #importante 


Não percebi quando adormeci, eu apenas fui me acalmando até que permanecer imersa sobre sono profundo, no único lugar onde consegui tranquilizar meu coração e meus pensamentos, onde se quer eu conseguia pensar em nada de ruim, apenas aproveitar o momento de descanso.

            Acordei e quando abri meus olhos percebi que o Justin já não estava mais lá, ele havia colocado um travesseiro em seu lugar e eu estava tão adormecida que se quer me lembro de vê-lo partindo. Me levantei após um tempo pensando e quando olhei para o relogio percebi que não dava mais tempo para eu ir à escola, fui até o banheiro e tirei minha roupa jogando-a sobre o chão e entrei no chuveiro para tomar um banho relaxante. Fiquei brincando com a água enquanto relembrava os acontecimentos da noite anterior – querendo ou não eles rondavam a minha cabeça – e após um tempo saí e me vesti enquanto escutava uma rádio que eu nem se quer sabia que existia. Desci e a casa estava vazia, chamei pela minha mãe e pelo meu pai e  nada deles. Pra onde será que eles haviam ido? Só sei que juntos eles não estavam. Tomei o café da manhã sozinha mesmo e depois fiquei na sala mexendo no meu note enquanto comia salgadinho e tomava coca-cola, ouvi meu celular tocar e fui procurá-lo, encontrei-o em cima da mesa da cozinha e atendi-o.

(LigaçãoON)
Eu: Alô – falei e depois voltei pra sala.
Justin: Oi bebê – sussurrou ele e sua voz parecia de alivio.
Eu: Oi amor – murmurei.
Justin: Tá melhor? –
Eu: Bem melhor, não precisa se preocupar – falei seguidamente respirando fundo.
Justin: Não me pedi pra não me preocupar (SeuNome) – murmurou ele tenso.
Eu: Desculpa – sussurrei.
Justin: Estou saindo do treino agora, passo na sua casa daqui a pouco.
Eu: Tá bom.
Justin: Eu te amo bebê.
Eu: Eu te amo também Jay – sussurrei e nos despedimos antes dele desligar.
(LigaçãoOFF)

Voltei a mexer no meu note, vendo meus emails e conversando com umas amigas, principalmente com a Ashy pegando as lições que eu precisava fazer, lições que eu perdi hoje por conta da minha falta à aula. Não demorou muito pro Justin chegar e antes de ir abrir a porta pra ele eu guardei meu computor e deu uma arrumada no cabelo e na roupa.
Eu: Oi bê – falei assim que abri a porta e selei seus lábios aos meus.
Justin: Quer sair pra comer alguma coisa? – perguntou ele sorrindo e colocando uma mexa do meus cabelos atrás da minha orelha.
Eu: Pode ser – falei pegando a chave da porta e saindo com ele.
            Quando estavamos a caminho do carro dele vi o carro da minha mãe vindo e apenas apressei meus passou segurando a mão dele e entramos no carro, ele não demorou pra dar a partida. Eu não estava pronta pra conversar com ela, ainda estava magoada pelo acontecido – e talvez isso demorasse para passar – eu estava apenas evitando mais brigas.
Justin: Onde quer ir? – perguntou ele enquanto permanecia concentrado na estrada.
Eu: Você quem manda parceiro – falei sorrindo e ele sorriu de lado.
            Enquanto ele ia para um lugar que eu não conhecia, ficavamos cantando umas músicas que estavam passando na rádio. Chegamos até o local e percebi que estava na Subway, mas aquela era bem mais distante do que a tinha perto da minha casa. Descemos e assim que entramos já fomos bem recebidos, nos atenderam e nossos pedidos não demoraram pra chegar. Fiquei meio tensa com a garçonete que veio nos atender, ela ficou meio que se jogando pra cima do Justin e confesso que fiquei um pouco irritada – muito irritada – com o sinismo dela de não perceber que eu sou a namorada dele e que ele é só “meu”. Quando enfim saimos me senti bem melhor e durante a volta pra casa ficamos mais em silêncio.
Justin: Aconteceu alguma coisa? – perguntou ele me olhando, um olhar confuso.
Eu: Não, por que? – respondi e perguntei atropelando as palavras.
Justin: Por nada – murmurou ele e o caminho continuou silencioso.
Eu: Justin aquela música de ontem... – falei quebrando o silencio e depois respirei fundo.
Justin: Down to earth? – perguntou ele e eu confirmei com a cabeça.
Eu: Você quem campôs? – perguntei e ele sorriu de lado e pensou um pouco antes de me responder.
Justin: Sim, foi um pouco depois da separação dos meus pais – respondeu ele e eu sorri de lado.
Eu: É uma ótima música, se canta e compõe tão bem, por que não repensar sobre sua carreira de músico? – perguntei sem jeito e ele sorriu.
Justin: Eu prefiro basquete – rebateu ele sem pensar muito.
Eu: Você não precisa parar com o basquete, só tem que dar espaço pro seu outro talento – comentei.
Justin: Tá falando sério? – perguntou ele confuso.
Eu: Só acho que está disperdiçando tempo e talento – sibilei e ele sorriu.
Justin: Vou pensar nisso parceira – comentou ele e eu apenas sorri.
            Assim que chegamos na frente de casa eu pedi para que ele entrasse comigo, não queria ter que conversar com a minha mãe e meu pai sobre o acontecido e eles não iriam conversar com o Justin lá. Fomos para cozinha e ficamos lá enquanto ele me ajudava a fazer os deveres de casa para amanhã, amanhã eu precisaria ir à escola. Foi ficando tarde e ele precisava ir embora, não teria como eu segurá-lo ali pelo resto da minha vida, ou muito menos, ficar fugindo dessa conversa com a minha mãe. Assim que me despedi dele e voltei para casa minha mãe me chamou até a cozinha onde nos sentamos e ficamos uma olhando para outra sem ao menos dizer nada.
Eu: Então...? – murmurei encorajando-a  começar a falar.
Mãe: Sobre ontem filha, foi só mais uma das brigas com que você não precisa se preocupar, filha você não pode ficar com raiva de mim e do seu pai por sermos adultos e sempre estarmos brigando por motivos que apenas nós podemos entender – começou a explicar ela e eu confesso que não estava nem um pouco interessada em escutar nada daquilo – Você não tem que me chamar de mentirosa, ou me impor a prometer pra você que não haverá mais brigas quando você mesma sabe que haverá sempre brigas entre eu e seu pai, somos separados, temos uma filha, uma filha cujo ele quer tirar de mim e não, eu não vou deixar seu pai tirar você de mim – falou ela e seus olhos se encheram de lágrimas.
Eu: Por que vocês não param de agir como se eu fosse aquela garotinha de 5 anos? – perguntei e ela apenas respirou fundo – Eu já tenho idade o suficiente para entender as coisas mãe, eu consigo entender que você  e o papai são dois adultos que não sabem conversar sem brigas, que não sabem agir como responsáveis. Como querem cuidar de mim se não conseguem nem ao menos cuidar de vocês mesmos? – perguntei e logo vi as lágrimas escorrerem por seu rosto.
Mãe: Eu cuidei de você sozinha durante todos esses anos – murmurou ela e mesmo eu querendo apenas abraçá-la eu me mantive forte no mesmo lugar, segurando o choro, ignorando a dor.
Eu: Mãe eu sei que a senhora sempre cuidou de mim, mas a senhora nunca se perguntou se eu já precisei do meu pai um dia? A senhora nunca teve vontade de me perguntar o que eu achava de tudo isso? O que eu sentia a respeito disso? – falei e ela olhava me meus olhos enquanto a dor se transmitia com clareza sobre os dela – A senhora nunca pediu minha opinião, nunca chegou e me perguntou se eu queria passar uns tempos com meu pai, se eu queria ligar e falar com ele. Durante anos eu tive que apenas ficar longe dele, era como se ele fosse o vilão de tudo, mas acontece que como a senhora mesmo disse a separação de vocês foi uma decisão de vocês dois, não foi nossa. Não foi da nossa familia, favoreceu a vocês e não a mim. Vocês podem estar felizes com isso, mas já se perguntaram se eu estou feliz? – falei e não pude mais conter as lágrimas – Qual é a felicidade que conta aqui? Vocês não veêm que ficarem brigando só me machucam mais? Se vocês não quiserem mais voltarem a ser casados, tudo bem, eu vou respeitar a decisão de vocês, mas por favor, pelo amor Deus parem de me machucar com essas brigas, parem de me torturar, já me torturaram demais a senhora não acha? – conclui passando a mão sobre meus olhos freneticamente enchugando as lágrimas que caiam.
Mãe: Me desculpa – sussurrou ela levantando-se e vindo em minha direção me confortando com um abraço, o que me fez chorar ainda mais – Eu não sabia que se sentia dessa maneira – sussurrou ela mexendo em meus cabelos enquanto eu já me encontrava soluçando de tanto chorar, a dor era imensa, a agonia era gritante e eu apenas queria que aquilo tudo acabasse.
Eu: Você nunca me deu chance de te dizer como eu me sentia sobre isso – falei com muito esforço.
Mãe: Me desculpe, eu sinto muito querida – falou ela depositando um beijo em minha testa enquanto assim como eu chorava.
            Ficamos abraçadas conversando atrás de sussurros durante um longo tempo e depois ela me levou até o meu quarto e ficou deitada comigo me fazendo cafuné.
Eu: Desculpa por ter chamado a senhora de mentirosa – sussurrei respirando fundo.
Mãe: Tudo bem, já passou – murmurou ela depositando um beijo no alto da minha cabeça – Me desculpa por nunca ter perguntado como você se sentia por conta da separação.
Eu: Sem problema – murmurei.
            Ela ficou ali comigo durante algum tempo e depois saiu indo pro seu quarto, fiquei me concentrando com os olhos fechados tentando dormir, mas não consegui. Peguei meu notebook e fiquei mexendo nele durante um longo tempo, perdi a noção da hora e quando percebi vi que teria poucas horas de sono. Me deitei e dessa vez não demorei para dormi.

(...)

            Por incrivel que pareça ainda consegui dormir ao menos um pouco, me levantei sem demora quando meu despertador tocou e fui direto pro banheiro fazer minha higiene matinal e depois me vesti e desci para tomar o café da manhã. Depois que terminei subi para escovar meus dentes e desci me encontrando com o meu pai que me levaria pra escola hoje com o carro da mamãe, eles já estavam se falando numa boa, o que me deixou mais tranquilizada. Ele iria embora daqui a dois dias e eu não queria que fosse assim, mas teria que aceitar como prometido. Quando cheguei na frente da escola, antes de descer do carro abracei ele e disse que o amava, depois desci e fui em direção as meninas que sorriram ao me ver.
Bree: Oi (SeuNome) – falou ela me abrançando.
Serine: Soubemos o que aconteceu com você – comentou ela.
Blear: Sentimos muito –
Britney: Posso ver que você está bem melhor – falou ela com um sorriso contagiante.
Eu: Estou melhor sim, obrigado pela preocupação – falei sorrindo.
            Ficamos conversando durante mais um tempo e depois tivemos que entrar, o sinal havia batido. Fui até o meu armário guardar alguns livros e pegar outros, hoje teria uma prova de química.
Justin: Oi bebê – falou ele me dando um susto assim que eu fechei o armário – Desculpa pelo susto.
Eu: Sem problema – falei e depois respirei fundo.
Justin: Como foi a conversa com a sua mãe? – perguntou ele entrelaçando seus dedos aos meus e me puxando para andar até a sala.
Eu: Foi estranha, mas acabou tudo bem – respondi aliviada.
Justin: Que  bom – comentou ele e depois selou meus lábios aos seus.
            Entramos na sala e eu fui me sentar no lugar de sempre ao lado da Ashy, em alguns momentos chegavam alguns bilhetes de flertes do Justin até minha mesa e eu apenas sorria enquanto ele como sempre mantinha aquele sorriso ousado em seu rosto fazendo minhas bochechas corarem. As aulas não demoraram para passar e a prova estava fácil, não tão fácil, mas se manteve em base do que estavamos estudando. Não haveria treino das lideres e o Justin também não teria treino, então passaríamos a tarde juntos.
Justin: O que quer fazer? – perguntou ele enquanto iamos de mãos dadas até o carro, como sempre atraiando olhares desagradaveis.
Eu: Cinema? – perguntei e ele confirmou.
            Ele me deixou em casa e depois foi até a casa dele, passaria em casa para me buscar às 15:00. Almoçei com meus pais e lhes contei como foi o meu dia, depois subi e arrumei minha roupa para o evento e depois fiquei arrumando meu quarto. Chegou a hora do meu banho e eu fui correndo pro banheiro, íamos assistir Os Vingadores e eu estava super ansiosa, fazia tempos que queria ver esse filme. Terminei meu banho e me arrumei, arrumei meu cabelo e coloquei minha sapatilha e depois fiquei apenas esperando ele chegar. 15:00 em ponto e a campainha tocou.
            - Eu atendo – gritei e desci as escadas correndo.
            Dei uma ultima arrumada na minha roupa e depois abri a porta.
Justin: Wow, tá linda amor, como sempre – falou ele me tirando um sorriso e depois me beijou.
Eu: Obrigado bebê, você está lindo também, como sempre é claro – comentei e ele sorriu.
            Fomos conversando até o carro dele e fomos surpreendidos antes de entrarmos.
Den: Oi (SeuNome) – murmurou ele com uma certa distancia.
Eu: Oi Deny – comprimentei-o sorrindo.
Den: Posso falar com você depois? – perguntou ele e eu pude ver que o Justin não gostou nada daquilo.
Eu: Pode ser – concordei e olhei pro Justin que sorriu forçado.
Justin: Vamos – sussurrou ele puxando minha mão.
Den: Então... Até depois – falou ele acenando.
Eu: Er... Até depois – falei e depois voltei a andar junto com o Justin.
            Entramos no carro e ele logo deu inicio a partida e o silêncio tomou conta. Fiquei brincando com o celular e mexendo no twitter ignorando a mudança de humor dele até onde pude.
Eu: Se não quiser eu não falo com o Den – falou enquanto olhava pela janela.
Justin: A questão não é essa, a questão é, por que ele tem que falar isso na minha frente? – falou ele e depois respirou fundo – Ele adora uma provocação, depois não me culpe.
Eu: Também não precisa ficar assim Justin, deve ser bobeira – comentei – E sabe por que ele fica te provocando!? Porque ele sabe que você sempre cai na dele.
            Fomos até o cinema em silêncio, chegamos lá e ele ficou na fila da pipoca enquanto eu fui comprar os ingressas. Entramos na sala que já estava escura e o filme estava quase começando, havia demorado pra comprar a pipoca e o chocolate, entramos e sentamos distante das pessoas. O filme era bem legal, havia várias partes engraçadas que nos fizeram sorrir e após um tempo o Justin já estava mais tranquilo e ficavamos comentando algumas partes.
Eu: Ai Capitão America – pensei alto seguido de um suspiro e quando olhei pro Justin ele estava me olhando com uma sobrancelha erguida – O que foi? – perguntei me fazendo de desentendida.
Justin: O que esse cara tem? – perguntou ele revirando os olhos.
Eu: Quer mesmo que eu diga? – rebati outra pergunta e ele me fuzilou com os olhos.
Justin: Quer falar sobre a Megan Fox? – perguntou ele com um sorriso perverso.
Eu: Você nunca vai pegar ela – comentei sorrindo e ele sorriu pelo nariz.
Justin: E você nunca vai pegar o Steve Rongers – rebateu ele provocando.
Eu: Quem sabe eu não pego ele e toco em seus musculos grandes... – começei a provocar e ele me fuzilou novamente.
Justin: É e quem sabe eu não pegue a Megan e toco na... – interrompi-o antes.
Eu: Já chega de sonhar né – sibilei e depois me virei para voltar a assistir o filme.
Justin: Ficou com raiva bebê? – perguntou ele ainda provocante.
Eu: Me erra Justin, fica sonhando com a Megan Fox aí e aproveita e chama ela pra ir pro cinema com você – falei fazendo birra e me sentei em outra paltrona.
Justin: Ah então quer dizer que você pode falar do Capitão America e eu não posso falar da Megan? – perguntou ele se sentando perto de mim novamente.
Eu: Mas eu não ia dizer que toco, você sabe onde nele – comentei semi-cerrando meus olhos.
Justin: Eu também não ia dizer isso boba, eu estava só te provocando – falou ele tocando meu rosto e eu virei-o – Prefiro mil vezes você do que a Megan Fox – falou ele com um sorriso safado.
Eu: Ah claro – falei fazendo biquinho e ele selou seus lábios aos meus levando sua mão até minha cintura e pedindo passagem com a sua lingua.
            Durante aquele momento o barulho da sala apenas desapareceu, era mágico como os lábios dele nos meus me causavam sensações inexplicáveis, desconhecidas pela ciência humana talvez. Quando ele me tocava era como se tudo ao redor apenas parasse, se os sons se cessassem, era como se não existisse mais nada ao nosso redor. Era uma espécie de nirvana e eu se quer conseguia pensar em nada mais, apenas em aproveitar cada segundo e cada perda de folego que pudesse ter durante toda a nossa vida juntos. Encerramos o beijo por conta da falta de ar e um sorriso bobo apareceu em nossos lábios enquanto olhávamos fundo um nos olhos do outro, era como se estivessemos apenas nós dois ali. Após um tempo voltamos a assistir o filme, cujo perdemos quase que a metade. Quando acabou saímos do cinema de mãos dadas e fomos dar uma volta em um parque ali próximo, tomamos sorvete e ficamos conversando e brincando com as nossas mãos durante o tempo todo. Foi ficando tarde e precisavamos ir embora, aliás, teríamos aula amanhã e como eu não havia tido uma longa noite de sono estava me sentindo exausta.

(...)

Justin: Nos vemos amanhã na escola bebê – sussurrou ele selando nossos lábios, o beijo foi breve.
Eu: Até amanhã – sussurrei de volta sorrindo e depois de um tempo conversando e trocando carinhos eu saí do carro e o Justin ficou olhando até eu chegar perto da porta.
            Acenei pra ele que ligou o carro e iniciou a partida e logo em seguida entrei e me deparei com meu pai e minha mãe assistindo tv.
Eu: Oi familia – falei indo até a sala e me jogando no sofá entre eles.
Pai: Quanta felicidade hein – comentou ele e minha mãe sorriu.
Mãe: Como foi o filme? – perguntou ela mexendo no meu cabelo.
Eu: Perfeito, mãe já viu o ator que faz o capitão america? – perguntei e meu pai bufou.
            O que esses caras tem contra o Steve Rogers?
Mãe: Já sim – respondeu ela sorrindo – Lindo ele.
Eu: Muito lindo – comentei sorrindo.
Pai: O que o Justin acha disso? – perguntou ele estragando o momento.
Eu: Enquanto eu sonho com o Steve Rogers ele sonha com a Megan Fox – comentei e minha mãe gargalhou.
Mãe: Adolescentes – sibilou ela.
Pai: Que relacionamento hein –
Eu: Fica tranquilo pai, eu prefiro meu namorado mesmo – comentei e pisquei pra ele que sorriu – O papo tá bom, mas eu preciso ir dormir – falei depositando um beijo na bochecha da minha mãe e depois na do meu pai.
            - Boa noite filha – os dois falaram juntos.
Eu: Boa noite familia – falei mandando beijo pra eles e subindo até meu quarto.
            Entrei e fui logo pro banheiro tomar outro banho, não demorei muito e quando sai coloquei meu pijama e depois me joguei na cama e não demorou muito para que eu dormisse, eu realmente estava exausta.
(...)
2 dias depois...

Ei sonhadoras linda da Bia, me desculpem pela demora amores, mas eu tava toda apertada aqui e sabe né, tava sem tempo algum para postar ;x Como eu fui uma má aluna no primeiro bimestre e faltei muito na escola, estou cheia de trabalho pra compensação de ausências e acho que vou ficar atrasando as postagens, mas prometo que quando tiver tempo faço posts bigs igual esse :) Me desculpem mesmo pela demora minhas baibes, mas a escola está me deixando sem saída alguma --' E também tenho um comunicado pra vocês, já que eu to nos 15 comentários a tanto tempo e normalmente passa disso eu pensei e uma amiga minha também recomendou então agora eu vou pedir 20 comentários em todas as postagens e aí quando eu ver que dá pra aumentar vou aumentando ok? Espero que entendam, porque comentários são muito importante pra mim - como eu sempre digo é a única coisa que eu ganho em troca pelo o que eu faço - e se não for assim, algumas leitoras relaxam e deixam de comentar :/ Então amores, não vou postar enquanto não tiver o número de comentários pedidos, então nem adianta cobrar de mim sendo que eu estou tentando cobrar de vocês faz tempo e as vezes me parece não está dando certo. Comentários repetidos, da mesma pessoa não será contado, então nem adianta fazer isso u.ú Estou sendo malvada pro bem do nosso blog amores, vamos ter que levantar isso aqui, eu sei que tem mais de 18 pessoas lendo a história :'( Espero que entendam mesmo, de coração e eu amei os comentários das outras postagens, obrigado mesmo por cada palavra, por tudo mesmo, isso conta muito pra tudo isso :') Não dá pra responder os comentários, porque esse desing novo não me permite --' E é isso aí amores, espero recompensar a demora e receber muitos comentários pra poder estar postando em breve :) Amo vocês s2

Bruna Meu anjo seja SUPER BEM-VINDA hein, nossa, muito obrigada mesmo minha linda, que comentário mais perfeito o seu *o* Amor o desing não sou eu que faço :x Na verdade eu procuro e acho desings em alguns sites legais e tals, mas vou te contar que quebro a cabeça pra conseguir por ele ._. Olha eu conheço um site pra desings de blogs e tipo é muito bom mesmo, eu ganhei um desing lá e logo, logo ele vai estar aqui no blog. Você tem que entrar no > Beautiful Desings < e aí você vai na c-box desse blog e pergunta pra Poly que é a dona como você faz pra encomendar e tals e diz que é a primeira vez que você está fazendo uma encomenda, aí ela vai te explicar direitinho e aí você pode encomendar desings perfeitos e de graça do artista que você quiser :) #SuperRecomendo 


20 comentários... 

domingo, 13 de maio de 2012

Dreams - Part. 77

Postado por @slaysdrauhl às 18:42
Reações: 
19 comentários
A coisa mais fofa do mundo o Justin cantoralando pra mim com sua voz de anjo enquanto seus olhos castanhos claro vinha de encontro aos meus, assim que chegamos perto da porta da minha casa ouvi minha mãe gritando e olhei pro Justin confusa. Abri a porta as pressas e vi a única coisa que não queria ver, não mais...

            Quando entrei e vi a cena que mais me machucava, que me machucou durante anos da minha vida senti meu corpo bloquiar e se quer eu conseguia pensar em me mexer ou dizer alguma coisa. Eles gritavam um na cara do outro e falavam coisas que mechucavam talvez mais a mim do que a eles mesmos, enquanto eu apenas respirava fundo e repitia para mim mesma em pensamento.
“Acorda, acorda. Isso é só mais um pesadelo.”
            Ouvi o Justin me chamar, mas não consegui me mover, ele chamou mais vezes e logo a voz dele foi ficando como som de fundo até sumir por completo. Eu não ouvia absolutamente mais nada, apenas via eles se moverem e a boca se movendo enquanto a agressão verbal saia pela boca das pessoas mais importantes da minha vida. Enfim consegui me mexer e bati a porta com tudo chamando assim a atenção deles que me olharam, aquele olhar arrependido que se quer me comoveu, não daquela vez.
Mãe: (SeuNome) – falou ela estendendo a mão tentando me tocar e eu apenas recuei.
Eu: Você prometeu – sussurrei enquanto dava passos para trás – Você prometeu, você prometeu, você prometeu...
            Fiquei repetindo isso em sussurros enquanto meus olhos se enchiam de lágrimas e eu tentava contelas o suficiente para não chorar, não na frente deles.
Mãe: Filha – murmurou ela tentando chegar perto de mim novamente.
Eu: Mentirosa – sussurrei e depois fui correndo pra escada entrando no meu quarto e trancando a porta.
            Me joguei na cama e apenas chorei, me lembrei de quando criança que eu tive que ver eles se separarem e apenas ficar na minha, sem dar minha opinião, sem poder dizer se quer com quem eu queria ficar. Sendo obrigada a fazer as vontades do tribunal, sendo obrigada a passar menos tempo com um e mais com outro, aprender a vê-los longe um do outro, sem aquele carisma todo e carinho que eu recibia de ambos, sem sentir o que é ter pais juntos. Eu queria que eles parassem de brigar, que talvez podessem repensar na decisão, mas não eles eram cabeça dura demais pra voltarem a estar juntos. As cenas boas e ruins passavam em minha cabeça como se eu estivesse vendo um filme do meu passado e aquilo só me fazia chorar ainda mais, me lembrei de quando eles me levavam pra escola, pro trabalho, quando jantavamos fora, quando íamos pra casa da vovó nos dias de domingo e as lágrimas saiam instantaneamente enquanto soluços escapavam de minha garganta. Eu os amava, amava meus pais mais que tudo e queria que tudo fosse como antes, era o meu maior sonho, era tudo o que eu mais queria e vê-los brigando me fez ver que nem tudo na vida é um completo sonho, que nem tudo saí como queremos mesmo quando temos mente o suficiente pra fazer nossas proprias escolhas. Ouvi baterem na porta, mas eu não conseguia se quer me mover para abrir.
Justin: Me deixa entrar por favor – falou ele batendo na porta e girando a massaneta tentando abri-la.
            Me levantei após um tempo e abri-a seguidamente ganhando um abraço que só me fez chorar ainda mais.
Justin: Eu sinto muito – sussurrava ele me apertando ainda mais em seu braço – Não vou pedir para parar de chorar, porque você precisa disso, então apenas desabafe da maneira que quiser – sussurrou ele depositando um beijo no alto da minha cabeça.
            Ficamos assim durante um tempo e depois ele me levou até minha cama e deitou-me em cima do seu peito, eu já estava mais calma, mas ainda escorria algumas lágrimas pelos cantos dos meus olhos. Após um tempo ouvi-o começar a cantarolar enquanto mexia em meus cabelos.

I never thought that it'd be easy,
Cause we're both so distant now,
And the walls are closing in on us and we're
wondering how,
No one has a solid answer,
But we're just walking in the dark,
And you can see the look on my face, it just tears me
apart.
So we fight, (so we fight)
Through the hurt, (through the hurt)
And we cry and cry and cry and cry,
And we live, (and we live)
And we learn, (and we learn)
And we try and try and try and try!

Enquanto o ouvia cantar eu apenas sentia vontade de chorar novamente, sua voz calma enquanto ele cantava suavemente proximo ao meu ouvindo.

So it's up to you,
And it's up to me,
But we'll meet in the middle, on our way back
  down to earth,
Down to earth
Down to earth
On our way back down to earth,
Back down to earth

            Não pude mais conter minhas lágrimas, a letra era completamente perfeita e parecia descrever a vida dele. As coisas que ele deve ter passado em seu passado e pensar que um dia se quer ele sofreu tanto assim como eu estou sofrendo agora me fez querer chorar mais e mais. Enquanto eu chorava baixinho ele apenas cantava e se quer se interrompia e quando eu soluçava ele apenas me apertava mais contra seu peito.

Momma, you were always somewhere,
And Daddy, I live out of town,
So tell me how could I ever be, normal somehow?
You tell me this is for the best,
So tell me why am I in tears?
Whoa, so far away and now I just need you here,

So we fight, (so we fight)
Through the hurt, (through the hurt)
And we cry and cry and cry and cry,
And we live, (and we live)
And we learn, (and we learn)
And we try and try and try and try!

So it's up to you,
And it's up to me,
But we'll meet in the middle, on our way back
 down to earth,
Down to earth
Down to eath.
On our way back down to earth, (on our way back down to earth)
Back down to earth (x8)

            Percebi  que aquela música apenas se tratava da separação dos pais dele e me lembrei que ele já passou por tudo o que eu já passei mais não quero aceitar, percebi que também era dificil pra ele assim como é dificil para mim ver meus pais separados, mas que ele havia aceitado a escolha deles mesmo assim.

I felt so far away,
From where we used to be,
And now we're standing,
And where do we go,
When there's no road,
To get to your heart,
Let's start over again!

So it's up to you,
And it's up to me,
But we'll meet in the middle, on our way back
 
down to earth, Down to earth, (down to earth) Down to earth, on our way back down to earth,

I never thought that it'd be easy,
Cause we're both so distant now,
And the walls are closing in on us and we're
 
wondering how?
 

            Quando ele parou de cantar respirou fundo enquanto eu apenas chorava, chorava por vários motivos. Querendo ou não aquela música apenas me fez lembrar de tudo o que aconteceu, de tudo o que eu passei, de tudo o que ele também passou. Não dava para controlar, não dava para se quer pensar em parar. Eu apenas via um flashback passando diante dos meus olhos, cada momento, cada sorriso e cada dor que meus pais e eu sentimos durante aquele momento ruim. Eu tinha que ver minha mãe chorar, tinha que ver meu pai chegando em casa bebado e arrumando brigas, tive que ficar longe deles pro meu próprio bem. Tive que mudar minha vida por completo, que aceitar a minha “nova” realidade que nunca entrou em minha mente, era algo fora de cogitação uma decisão que eu não pude partilhar, algo que eu não queria que acontece e mesmo assim acoteceu. Eu pensava e pensava e se quer conseguia ouvir algum tipo de barulho, nem meus soluços e nem as batidas do meu próprio coração. Eu estava imersa em um mundo de dor, torturando a mim mesma lembrando o passado, onde aquilo tudo iria me levar!? O que eu poderia mudar!? Tudo estava sobre meus olhos o tempo todo e eu nunca se quer percebi. A família que eu tinha antes ficou para trás, agora eu precisava viver o presente, o presente que eu não queria que existisse, mas que existia e eu precisava aceitá-lo e conviver com isso. Não percebi quando adormeci, eu apenas fui me acalmando até que permanecer sobre sono profundo, no único lugar onde consegui tranquilizar meu coração e meus pensamentos, onde se quer eu conseguia pensar em nada de ruim, apenas aproveitar o momento de descanço. 


 Eu sei que demorei demais dessa vez :x Eu estive doente, cheia de problemas na vida e minha mãe me deixou de castigo durante um tempo por conta de uma briga que eu tive com meu irmão mais velho. Então amores se quer eu tive tempo pra pensar em criar a fic, não tive tempo e nem cabeça já que tinha um monte de coisa e minha mente se quer conseguia processar alguma coisa. E pra não fazer qualquer coisa eu decidi esperar as coisas se acalmarem mais pra eu voltar a escrever, me desculpem mesmo pela demora e agora que eu estou bem melhor vou tentar recompensar essa demora toda. Espero que gostem dessa capitulo e comentem bastante e que vocês não me abandonem nunca, nunca mesmo, porque eu preciso muito de vocês :/ Aqui é o único lugar onde eu me sinto querida, fico sorrindo boba com os comentários e me deixa tão feliz saber que vocês gostam do que eu faço :') Então por favor minhas sonhadoras, jamais me abandonem, vocês são muito importantes pra mim, muito mesmo. Amo vocês demais, vocês fazem parte de tudo isso e até da minha vida já. Obrigado por tudo mesmo e até a próxima postagem ! 

Stories Beliebers ∞   Aiin seja bem vinda sonhadora *-* Nus muito obrigada mesmo hein, clinda você *o* Vou dar uma lida na sua ib assim q tiver um tempo amor, aí te digo o que eu achei :) Muito obrigada s2'

Vitoria  Seja bem vinda minha linda! Aiin clinda tu véi, na boa amei teu comentário demais. Perfeita é tu mesmo e muito obrigada por tudo mesmo. Espero que esteja aqui sempre colorindo o blog sonhadora s2'

Lubs Bem vinda amoore, desculpa a demora pelas boas-vindas é que eu esqueci e tals :x Cheia de coisa na cabeça também, mas mesmo assim muito obrigada mesmo pelo comentário lindo :) Obrigada sonhadora s2'

 Mais de 15 comentários...

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Dreams - Part. 76

Postado por @slaysdrauhl às 20:19
Reações: 
19 comentários
- Capitulo dedico a @LuianeKristine *-*' Uma fofa gente, me ajudou demais hoje e ainda se preocupou com umas coisas erras que eu andei fazendo aí :') Super fofa !
- Capitulo dedico para a @BeliebersdoJB também *-*' Minha xará gente, ela me deu uns toques para fazer esse capitulo :') Me ajuda demais minha xarázinha linda s2'




Não percebi quando eu dormi, mas logo tudo estava apagado, talvez tanto tempo de correria na vida me dividindo para poder dar atenção para todos eu tenha me sobrecarregado e precisa-se descansar um pouco

            Acordei e tive dificuladade para abrir meus olhos, estava escuro, mas havia alguma luz acesa em algum lugar e ela estava me empatando de abrir meus olhos. Abri-os lentamente e quando consegui mantê-los abertos percebi que estava no quarto do Justin e estava um silencio onde só se dava para ouvir o barulho do ar condicionado, sentei-me na cama e respirei fundo antes de me levantar. Havia um bilhete ao lado da cama, peguei-o e li.
Fui no mercado e não vou demorar muito, se quiser tomar banho separei uma blusa minha e um short seu que achei na sua bolsa, estão no banheiro. 
Com amor, Justin
            Estava frio e era desnecessário o ar-condicionado ligado, fui até o mesmo para desliga-lo. Fiquei procurando o botão e não achei nada.
Eu: Onde desliga você hein – murmurei sozinha enquanto procurava o botão em todo o lado – Te achei – falei desligando-o e depois fui até o banheiro.
            Tranquei a porta e entrei para tomar um banho, terminei o banho e depois me vesti,  saí e fiquei olhando as fotos na comoda do quarto do Justin enquanto penteava os meus cabelos. Havia umas fotos de quando ele era pequena e como ele era meigo, sempre foi lindo. Sorri enquanto via suas fotos e também havia uma em que ele estava com a mãe dele, a famosa Patricia Mallette que eu tanto queria conhecer, só não tinha ideia de quando chegaria esse dia. Ela era linda, naquele momento havia percebido de onde a beleza do Justin havia saído, após um tempo senti alguém me abraçar por trás e beijar meu pescoço.
Justin: Você não se preocupa em saber quem está te agarrando? – sussurrou ele no meu ouvido - Eu poderia ser um assassino.
Eu: Você é um assassino? – perguntei e ele sorriu.
Justin: Mas eu poderia ser um – murmurou ele.
Eu: Por que um assassino entraria na sua casa? – perguntei me virando de frente para ele.
Justin: Pra pegar minha namorada – respondeu ele sorrindo.
Eu: E por que ele pegaria sua namorada? – perguntei e ele suspirou.
Justin: Porque minha namorada é perfeita e ele tem inveja de mim – respondeu ele convencido e eu sorri pelo nariz.
Eu: Acha que eu não conheço meu namorado e a maneira como ele me abraça? – perguntei e ele sorriu de lado.
 Justin: Que bom que você conhece né – murmurou ele sorrindo e depois selou seus lábios nos meus - Eu te amo. 
Eu: Eu amo você também - sussurrei e ele sorriu meigo. 
            Suas mãos deslizaram pelas minhas costas até pousarem em minha cintura e colar mais nossos corpos, sua língua fez um contorno em meus lábios pedindo passagem e eu logo concedi envolvi seu pescoço e enquanto nossas linguas brincavam travessas me causando arrepios minhas mãos bagunçavam os cabelos dele e pulsionava sua boca mais contra a minha. Fomos andando até a cama sem partir o beijo e eu não sei por qual motivo mais fiquei nervosa durante um tempo, eu sabia o que iriamos acabar fazendo e já haviamos feito isso antes eu não precisava me preocupar. Mesmo assim senti fraqueza nas pernas e meu coração começou a bater tão forte que eu sentia as batidas por todo o meu corpo, eu só precisava relaxar.  Partimos o beijo por falta de ar e ele me deitou sobre a cama subindo em cima de mim controlando seu peso, respirei fundo antes que seus lábios voltassem aos meus num beijo mais ousado do que o anterior, sua mão fria entrou sobre minha blusa me causando arrepios e ele apertou minha cintura colando seu corpo ao meu e eu pude sentir seu membro rigido tocar minha intimidade me causando excitação.

            Parte Hot (Se não gostar recomendo que pule)

            Sua mão foi subindo mais por entre minha blusa enquanto minha pele se arrepiava mais e mais até que chegasse até meu seio apertando-o e precionando seu corpo contra o meu novamente.
Justin: Você poderia se soltar mais não acha? – perguntou ele encerrando o beijo e sorrindo malicioso.
Eu: Sem problema – respondi virando-o e invertendo a posição me sentando bem em cima do seu membro e lhe dando um beijo avassalador.
            Enquanto beijava-o eu mexia meu quadril em seu membro provocando-o, após um tempo ele colocou a mão sobre minha cintura me ajudando nos movimentos e mesmo durante o beijo alguns de seus gemidos passavam por entre seus dentes cerrados. Ele pendeu a cabeça pra trás fechando os olhos e mexendo minha cintura em movimentos mais rapidos, fiquei olhando-o com um sorriso vitorioso enquanto satisfazia ele sem ao menos tirar a roupa. Após um tempo ele tirou suas mãos de minha cintura e respirou fundo, levantei minha cintura um pouco e pude ver sua bermuda molhada,
Justin: Nossa - falou ele surpreso logo em seguida respirando fundo. 
            Não pude conter a risada e comecei a gargalhar descontroladamente enquanto sua bochecha corava e ele tentava controlar sua respiração.
Justin: Chega de brincadeira – falou ele me jogando na cama novamente e subindo em cima de mim.
            Ele voltou a me beijar e suas mãos logo foram tratando de tirar meu short e minha blusa jogando por qualquer canto daquele quarto e logo em seguida se livrando das roupas dele também. Ele encerrou o beijo e foi descendo enquanto suas mãos deslizavam pela lateral do meu corpo ele destribuia beijos pela minha barriga até chegar perto da minha calcinha tirando-a e jogando-a longe, ele voltou a beijar meus lábios e após um tempo senti seus dedos tocar minha vagina.
Justin: Relaxa – sussurrou ele e começou a movimentar seus dedos me estimulando.
            Era uma sensação nova, era estranho e ao mesmo tempo bom. No começo não deu para relaxar, eu não conseguia controlar meus pensamentos. Eu precisava me movimentar eu não sabia ao certo o porque, mas eu precisava apertar alguma coisa. A sensação estava sendo... Sendo ótima e eu nunca imaginei que um dia isso aconteceria. Apertei firme o lençol enquanto respirava fundo prendendo os gemidos que insistiam em sair, após um tempo senti minha intimida contrair e um liquido quente escorrer. Respirei fundo , havia uma sensação estranha em meu estomago, não pensei muito até que o Justin estava com seus lábios aos meus novamente. Ele me virou colocando-me em cima dele novamente sem partir o beijo, desci fazendo uma trilha de beijo por entre seu abdomem até chegar em sua cueca e tirá-la jogando-a no chão. Subi novamente beijando-o, sua mão foi até minha cintura guiando minha intimidade até a sua e ele começou a me penetrar devagar sem partir o beijo. Assim que seu membro já havia me penetrado comecei a cavalgar e dar leves reboladas lentamente, sua mão permaneceu em minha cintura e nossos lábios permanecerem próximos enquanto se quer conseguimos pensar em como nos beijar e nos concentrar no tesão ao mesmo tempo. Ele invertei a posição novamente subindo em cima de mim e me penetrando em um movimento de vai e vem enquanto eu apertava suas costas e gemia freneticamente, eu estava completamente envolvida e imerça ao momento tão incapaz de se quer refletir em nada mais a não ser no prazer que ele estava me proporcionando.

(JustinON)
            Lhe proporcinei uma sensação nova e senti que ela ainda não estava pronta para fazer o mesmo comigo e eu não iria exigir isso dela, não da minha garota ingênua. Era inacreditavel as vezes perceber que eu a tinha mais do que devia, estavamos ali complemente envolvidos pelo momento, sem dizer nenhuma palavra apenas aproveitando cada segundo. Ela sabia como me enlouquecer sem ser ousada e sua brincadeira de rebolar em cima de mim me deixou absolutamente maluco, ela tinha o dom de me enlouquecer sendo apenas ela mesma. Enquanto penetrava-a e ouvia seus gemidos suaves em meu ouvido que só me deixava ainda mais excitado senti que meu orgasmo estava mais proximo do que eu esperava, abracei-a e senti seu coração bater forte junto ao meu peito, a respiração acelerada enquanto nossos corpos pareciam em chamas um sobre o outro, percebi que estavamos com as mesmas sensações, penetrei-a mais rapido e mais fundo e logo senti as paredes de sua vagina se contrair e após seu orgasmo o meu veio logo em seguida. Permaneci sobre seu corpo controlando meu peso enquanto tentava controlar minha respiração, após um tempo deitei ao lado dela e respirei fundo novamente fechando meus olhos. Abri-os novamente e percebi que não era um sonho, ela sim era um sonho pra mim. Levei-a no colo até o banheiro para tomarmos banho e durante o banho ficamos brincando e cantando, era ótimo ver seu sorriso satisfeito enquanto o sorriso satisfeito do meu rosto era enorme. Saímos do banho e depois de colocarmos uma roupa descemos para comer alguma coisa enquanto assistiamos tv, foi ficando tarde e eu precisaria levá-la até em casa.

[...]

            Chegamos na frente da casa dela e eu estacionei e fiquei pensando durante um tempo.
(SeuNome): Quer entrar? – perguntou ela me tirando dos meus devaneios.
Eu: Já está tarde – murmurei.
(SeuNome): Pelo menos vem cumprimentar meus pais – falou ela abrindo a porta e descendo do carro.
            Fiz o mesmo e liguei o alarme do carro travando as portas, fomos andando até a casa de mãos dadas enquanto eu cantarolava a música Fucking perfect – Pink pra ela.
(JustinOFF)

            A coisa mais fofa do mundo o Justin cantoralando pra mim com sua voz de anjo enquanto seus olhos castanhos claro vinha de encontro aos meus, assim que chegamos perto da porta da minha casa ouvi minha mãe gritando e olhei pro Justin confusa. Abri a porta as pressas e vi a única coisa que não queria ver, não mais...


Prontinho amores, vou me desculpar pela demora também porque dessa vez eu demorei muito mesmo amores. É que como foi feriado e tals, meus pais decidiram fazer algo em família e aí fomos andar, ir ao cinema, jantar e tudo mais e aí eu quase nem entrei no computador direito :x Espero recompensar a demora né, coloquei uma parte hot porque tinha sonhadoras dizendo que estavam com saudades né ><' Isso aí sonhadoras, beijoos & boa leitura pra vocês !

- Resposta nos comentários anteriores ! Obrigada pelos comentários lindos, me desculpem mais uma vez pela demora. Amo vocês minhas sonhadoras xoxo' 

Acima de 15 comentários... 

- Dessa vez coloquei mais coisas na parte hot, o que acharam? 
 

* Only Imagine Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos